BLOG DO TOB | 04/10/2018
O DETETIVE PARTE 2


O DETETIVE_ parte 2
Prosseguindo com a história de JP, agora jovem detetive, enquanto faz seu curso de administração, paralelamente faz suas investigações em seu primeiro caso, agora estão surgindo outros e cada um com características diferentes. Um certo cliente solicita que o mesmo investigue a respeito de heranças, possivelmente está incluído nesta herança, e o mesmo quer saber quantos herdeiros estão no processo. Também tem o caso de um cliente que é produtor rural e seu filho foi para os Estados Unidos e não deu mais notícias. Significa que terá que sair para o exterior, possivelmente Nova York, é a sua primeira opção de pesquisa em que seu filho deu a última notícia. É um caso complicado terá que ficar fora muitos dias, mas para isto pede um pouco de paciência ao seu novo cliente, precisa terminar o caso presente.
JP resolve então tomar um rumo diferente, seguir a jovem senhora. Disfarça-se de andarilho na praça onde ela se encontra com seu amigo, possível namorado, complicado, pois se queria saber se seu marido tinha outra mulher, e agora se depara com esta situação. Pela manhã fica na espera que a jovem senhora, possivelmente, poderá se encontrar com seu amigo. Em um banco, numa situação estratégica, com falso bigode, de boné, ficou realmente fora de suspeita. Pelas nove horas, não deu outra o rapaz senta-se, logo em seguida a sua cliente conversa com ele rapidinho e, falam pouco, mas mesmo o com poucos minutos JP consegue tirar uma foto pelo seu celular com o intuito de ver após a foto do camarada. Tocam-se levemente suas mãos saem como estivessem fazendo caminhada. JP pegou seu carro seguiu em outra direção, entendia que eles iriam para fora da cidade, consegue chegar a frente e liga o drone, e em uma altura livre de suspeita, arrisca, deu certo, logo aparece no ponto em que o jovem detetive suspeitava, na direção dos motéis. Manteve-se em uma distância bem tranquila, pois o drone transmitia as imagens. A confirmação do motel ficava difícil, pois o drone não teria como tirar fotos dos dois juntos. Mas alcançou seu objetivo, foram para o motel. Volta para cidade após recolher seu drone, seguiu para praça em que ficava o apartamento da sua cliente. Perto das 17:30 ela volta, entra em seu prédio, certamente antes do seu marido voltar. Confirma a suspeita, a jovem senhora tinha um caso!
No dia seguinte, em seu escritório pensa: Tinha que tirar uma foto dos dois juntos fora da cidade! Pergunta a um amigo que foi policial se podia ajudar nesta tarefa, este amigo é de confiança, teria que confiar em alguém. Liga para ele, contou uma história um pouco diferente, disse que queria uma foto dos dois juntos e assim fizeram. Na primeira oportunidade, na semana seguinte, quando os dois voltavam pela estrada vicinal, monta uma barreira como se fossem policiais, (arrumou mais dois amigos), param o carro do casal que assustados perguntam: -O que está acontecendo? Na verdade, não é nada, apenas verificação, houve um sequestro de uma criança: - Mas vemos que não há criança, mas mesmo assim pode abrir o porta-malas? Nesse meio tempo consegue tirar uma foto sem que percebessem. Abre o porta malas e não havia nada, assim liberam o casal que assustados seguem pela vicinal em direção da cidade. Xeque _mate! JP tinha aprova que precisava, pois seguiram o casal pelo drone, e com a barreira, não tinha dúvida, eram amantes! Mas uma coisa não fechava, a jovem senhora era de aparência boa, muito elegante, como se meteu em uma enrascada dessa? JP comenta consigo mesmo, e agora? Algo está errado nesta história não fecha, tem algo mais complicado na vida desta pessoa, da sua cliente.




comentários
Clique para comentar

enviar comentário