INTERNACIONAL | 28/08/2018
Gestão Piffero: relatório da sindicância sai em setembro


No começo de outubro de 2017 foi designada uma comissão do Inter encarregada, entre outras coisas, de levar documentos relativos à gestão anterior ao Ministério Público.
Paralelamente ao trabalho desenvolvido pelo MP, esta comissão de sindicância passou a investigar internamente a possibilidade de fraude em setores da administração do Inter durante a gestão de Vitório Piffero (2015/2016).
É presidida pelo conselheiro Ubaldo Alexandre Licks Flores.
Demais integrantes: ALEXANDRE BURMANN PEREIRA, ARTHUR CALEFFI, GABRIEL VELHO VIEIRA, GUILHERME DALLA ROSA OSORIO, LEONARDO AQUINO BUBLITZ DE CAMARGO e RAPHAEL PEREIRA DE ABREU.
Ubaldo Flores é procurador de Justiça criminal.
Segundo ele, a comissão de sindicância do Inter deverá entregar até o dia 20 de setembro, no máximo, o relatório para o presidente do Conselho Deliberativo do clube, Sérgio Roberto da Fontoura Juchem.
Que deverá enviar cópia aos conselheiros.
O relatório está em fase final de revisão.
Foram convidados para falar sete dirigentes da gestão Piffero.
Alguns se manifestaram por escrito.
Só o ex-vice de finanças, Pedro Affatato, não se manifestou.
Como há o caso está tramitando no MP, é lá que ele informou que irá falar.
A comissão avaliou 15 fatos e analisou mais de 100 documentos.
O relatório é conclusivo sobre cada fato.
Diz se houve ou não gestão irregular ou temerária para cada fato.
Caso constatada a responsabilidade, o dirigente poderá ser considerado inelegível por dez anos para cargos eletivos em qualquer entidade desportiva profissional.
Caberá ao Inter, caso julgue ter sofrido prejuízo financeiro, buscar a Justiça entrando com uma ação civil.
Embola o relatório de sindicância seja conclusivo, os diversos conselhos do Inter (Fiscal, Ética, De Gestão…) poderão fazer suas próprias avaliações.
fonte: Correio do Povo.


comentários
Clique para comentar

enviar comentário