BLOG DO TOB | 30/01/2018
TRÊS ANOS DEPOIS


FINALMENTE TRÊS ANOS DEPOIS O ENCONTRO
HISTÓRIAS QUE ME CONTAM AS QUAIS PODEM SER VERDADEIRAS.
O camarada observa por todos lados, curioso tentando localizar sua amiga que pode se tornar algo mais que amiga, pois vão encontrar-se depois de três anos. Muitos telefonemas, mensagens pelas redes sociais, segundo palavras dela tinha se passado três anos. Muitas combinações para encontros, mas por um motivo ou outro não dava certo, quem enrolava não se sabe ao certo, pois ora era um, ora era outro que desmarcava. Agora através do WhatsApp marcaram novamente. Parecia tudo certo, o local tinha ela indicado que seria perto da cooperativa, mas logo mudou para outro local. Desconfiado que seria enrolado foi em frente, passando pela avenida viu duas moças, uma podia ser ela, aí a desconfiança aumentava, mas não desiste, vai seguindo o caminho combinado a minutos por telefone, muito nervoso foi seguindo, entrava em uma rua, mudou novamente para outra, seria cuidado por parte dela achar um lugar seguro? Foi seguindo conforme sua orientação, entrou na rua da Casa dos Filés, encostou seu carro e o camarada tremia, seu coração saiu pela boca, ela está perto, era ela mesmo! Não havia enrolação desta vez! Ele encosta seu carro, abre a porta, ela entra cumprimentando-o ligeiramente, não havia tempo para muitas palavras, ele tremia, mas controlou-se, pois, tinha que cuidar do trânsito. O comentário dela foi aquele, três anos de desencontros finalmente encontraram-se, agora era seguir para o Motel, tudo tranquilo, tranquilo? Que nada, pois o camarada olhou no painel do seu carro viu que o combustível estava pela boa, muito pouco para seguir em frente, bem aí ele ficou louco, que fazer? Arriscou, foi seguindo, arriscou tudo, ainda era dia, daria para resolver de alguma forma, pelo menos o celular estava com carga para estas emergências, foi seguindo pelo contorno trocando palavras de carinho, entre outras, afinal faziam três anos!
Muitas vezes discutiram pelo telefone, possuía um gênio daqueles a moça. Qualquer pedaço do osso dava uma sopa! Mas os papos se fechavam, os assuntos entre eles davam certo, e para variar muitas carências, uma necessidade de conversar, de colocar as fofocas em dia. Havia um ponto onde se viam na cidade, ele passava, cumprimentavam-se com aquele olhar, mas não podiam se trair, as pessoas ficam ligadas, assim os olhares eram discretos, e após o telefone era o ponto de contato, de carinho. Vamos nos encontrar? Esta era a pergunta de um e outro, mas devido aos compromissos os encontros eram adiados. Após desmarcarem era bronca certa por parte dela, principalmente, mas tinha o lado dela que também, assim passaram-se três anos. Juntos, finalmente, ela se descontrai um pouco, dando assim chance para ele ficar calmo, assim passam alguns minutos, vai aos poucos tirando a roupa, assim o que imaginava era certo, tinha um belo corpo, tudo em cima como dizem os rapazes! Nossa, era realmente uma bela mulher! Bem o que aconteceu de agora em diante o meu amigo não me contou e se contou não passo adiante, afinal foi na confiança a história descrita!


comentários
Clique para comentar

enviar comentário